Há uma nova data para a conclusão da Rua do Mosteiro

Esta via tinha como prazo de conclusão o mês de setembro de 2021. Atraso não implica derrapagem financeira.

1

O novo prazo de conclusão para da requalificação da Rua do Mosteiro, em Cucujães, é o dia 8 de fevereiro de 2022. A empresa responsável pela empreitada apresentou um pedido de prorrogação de 120 dias (quatro meses), que foi aceite pelo executivo camarário.

Publicidade

Na última campanha para as eleições autárquicas, o candidato da CDU à Junta de Freguesia de Cucujães, Cláudio Andrade, denunciou a realidade complicada dos comerciantes da Rua do Mosteiro devido às obras de requalificação, havendo já uma ideia clara que as obras iriam atrasar. Agora sabe-se que a derrapagem será pelo menos de quatro meses.

A Paviazeméis, empresa responsável pela empreitada, justificou o atraso destas obras devido às consequências provocadas pela pandemia causada pelo vírus Covid-19. Os técnicos da autarquia consideraram que o fundamento apresentado é justificativo de algum atraso das obras, no entanto, “não justificam a totalidade do atraso da empreitada”.

________
Derrapagem financeira mínima.

A derrapagem no prazo de entrega da obra não significará uma derrapagem financeira. Dos 120 dias pedidos pela empresa, a autarquia aceitou conceder a prorrogação do prazo pedido, mas apenas 30 dias será de prorrogação legal com consequências financeiras ao nível da revisão de preços do novo plano de trabalhos, mão de obra e de equipamento. “Os restantes 90 dias serão a título gracioso, sem encargos financeiros para o município”, revela Joaquim Jorge.

AZEMÉIS.NET é o jornal online de Oliveira de Azeméis (criado em agosto de 2019) pensado em promover o que de melhor se faz no concelho. É um projeto que olha para o território, e a nossa gente, pela positiva e que quer puxar pelo orgulho oliveirense. Procuraremos ser a pegada digital para demonstrar que Azeméis é realmente vida... e que somos vivos!

1 COMENTÁRIO

  1. Estas obras começaram mal, projetaram estacionamento, mas o passeio ficava com poucos centímetros e a largura da rua não dava para passar 1 camião pelo outro.
    Retiraram o estacionamento para alargar os passeios e a estrada.
    Como é possível projetarem assim uma rua?
    O que mal começa, mal acaba.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui