PME Líder 2020. Reve De Flo quer posicionar-se no mercado de calçado de gama média-alta

0

Nos últimos cinco anos a empresa de calçado Reve de Flo – Shoes teve por quatro vezes o estatuto PME Líder. E já é certo que no início de 2022, Armando Pereira, chairman da marca, e a sua equipa, irão comemorar este galardão atribuído pelo IAPMEI pela quarta vez seguida (referente ao exercício de 2020). Ser PME Líder é um estatuto que o líder da empresa considera importante. “A importância é sempre muita, porque traz projeção à empresa, uma vez que nem todas as empresas são PME líder. Depois também traz um benefício a nível bancário, quando se recorre a créditos. E para nós é um objetivo todos os anos”, diz Amadeu Pereira em entrevista ao Azeméis.Net.

Publicidade

Os números da empresa de calçado instalado na Zona Industrial de Ul/Loureiro são animadores. A Reve de Flo encontra-se no ranking das 100 maiores empresas do concelho de Oliveira de Azeméis. Ocupa o lugar número 87 ao ter conseguido, tendo por base os resultados obtidos no ano de 2019, um volume de faturação na ordem dos 4 milhões e 132 mil euros, tendo o resultado de líquido de 91 mil euros. Alemanha e os Estados Unidos da América são os mercados para onde Reve de Flo mais exporta o seu produto, destacando-se também, num nível inferior, os mercados de países como a França, Dinamarca, Bélgica, Espanha e Finlândia.

Num futuro próximo, a empresa liderada por Amadeu Pereira tem o objetivo de rentabilizar melhor a sua faturação. Irá posicionar-se no mercado de calçado de gama média alta. Neste momento, tal como revela o empresário em entrevista ao Azeméis.Net, o caminho ainda se encontra numa fase inicial. “Ainda estamos numa fase inicial. No calçado as coisas não são tão fáceis quanto isso. Temos de fazer amostras e mostrar que somos capazes. Temos de fazer diferente para nos distinguir”, revela.

Este será um grande avanço na vida da empresa de calçado. Amadeu Pereira aponta como estratégia abandonar o mercado de gama média, e média baixa, por haver uma grande concorrência e por haver dificuldade de concorrer diretamente com as fábricas de produção de calçados instaladas em Felgueiras. “Em Felgueiras há uma mentalidade diferente. São muito agressivos nos preços. Conseguem fazer preços mais baixos”, aponta Amadeu Pereira. E há ainda um outro motivo que faz com que o empresário queira apostar numa gama superior. “Toda a gente quer calçado de qualidade, e neste mercado de gama média, média-baixa, há clientes que querem comprar um Ferrari pelo preço de um Fiat”, acrescenta.

Publicidade

Primeiro trimestre de 2021 mais complicado

A pandemia provocada pelo vírus Covid-19 veio trazer complicações à empresa Reve Flo, contrariando os bons momentos que a empresa vivia até ao momento. Estes números são vão ser visíveis nos dados a serem divulgados no início do ano de 2023, mas Amadeu Pereira antecipada desde já que a sua empresa está a ter quebras em linha do sector calçado português (na ordem dos 40%), neste primeiro trimestre.

“Os clientes ainda têm stock e suspenderam as encomendas. A prioridade será o escoamento do produto, e só depois é que voltarão a encomendar”, constata. O empresário diz que até ao final do ano o consumo de calçado pode mudar, mas à luz dos dados do presente, antecipa um ano bastante complicado. “Se até ao verão as condições mudarem, ainda é possível recuperar, mas em Itália, por exemplo, já se fala de uma quarta vaga… O cenário não é o melhor”, diz.

A falta de união no setor… e a distância do centro nevrálgico

A crise no setor devido à pandemia do vírus Covid-19 veio colocar em evidência, na opinião de Amadeu Pereira, a falta de união entre os empresários do calçado. “Gostava que toda a gente que estivesse bem. Por vezes o mal dos empresários portugueses, na área do calçado, é de não haver união de grupo para tomar decisões. Há situações para resolver”, sintetiza o empresário, que também aponta as faltas de respostas do Centro de Calçado de São João da Madeira. “Há falta de pessoal qualificado na área do calçado”, aponta.

Há ainda uma outra contrariedade com a qual a Reve de Flo se defronta diariamente. “Somos prejudicados por estar afastados do centro nevrálgico”, desabafa Amadeu Pereira, apontando São Roque, São João da Madeira, e Arrifana, como as zonas de excelência do setor do calçado.

Amadeu Pereira, chairman Reve de Flo, foi entrevistado pelo Azeméis.Net na sede da empresa, em Loureiro

A Empresa

Reve de Flo - Shoes, SA, empresa com sede na Zona Industrial de Loureiro.
Marca criada em 1994, sucedendo às conceituadas Relevo e Riva. 
Chairman: Amadeu Pereira. Entrou para a empresa em 1987 e tornou-se administrador em 2014
Empresa com estatuto PME Líder em 2016, 2018, 2019 e 2020

A Reve De Flo – Shoes, S.A. é uma empresa com grande experiência no setor do calçado, fundada em 1973, que direciona toda a sua produção para o segmento de senhora. Fundada como uma empresa familiar, foi sofrendo, ao longo do tempo, alterações tanto ao nível da sua denominação, como dos seus proprietários e administradores.

Nos primeiros anos de atividade a empresa comercializava as marcas Relevo e Riva apenas no mercado nacional.
Em 1985, a empresa inicia a sua atividade exportadora, o que acabaria por se revelar uma aposta conseguida, pois de ano para ano o volume de negócios viria a aumentar gradualmente. Em 1994 é criada a marca Reve De Flo, destinada exclusivamente ao mercado externo, sendo que esta acabou por se tornar a marca principal e imagem da empresa.

Amadeu Pereira torna-se chairman da empresa em 2014, depois de ter decidido, juntamente com o seu sócio, em não deixar que uma empresa lucrativa fosse encerrada. Os antigos proprietários não queriam dar seguimento ao negócio, mas o empresário não deixou. “Era uma pena deixar encerrar uma empresa lucrativa“, revela Amadeu Pereira. Foi também em 2014 que a empresa se passa também a denominar-se Reve De Flo – Shoes, S.A.

AZEMÉIS.NET é o jornal online de Oliveira de Azeméis (criado em agosto de 2019) pensado em promover o que de melhor se faz no concelho. É um projeto que olha para o território, e a nossa gente, pela positiva e que quer puxar pelo orgulho oliveirense. Procuraremos ser a pegada digital para demonstrar que Azeméis é realmente vida... e que somos vivos!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui