Terça-feira, 4 de Outubro de 2022
Terça-feira, 4 de Outubro de 2022
Publicidade

Carla Pais vence Concurso de Poesia Agostinho Gomes

Publicidade

Carla Pais, residente em França, venceu a edição deste ano do Concurso de Poesia Agostinho Gomes, com o poema “A Cobiça das Nascentes”.

Publicidade


"A Cobiça das Nascentes"


"Diziam na aldeia que as crianças tinham fartura nos gestos de brincar
E que as meninas eram rebentos perigosos nas manhãs de calor
Sobretudo debaixo dos seus vestidinhos leves que as mães remendavam no outono,
sentadas ao lume, a antecipar a teimosia dos peitos que o verão faria medrar
Imaginando, talvez, a cobiça das nascentes que havia de lhes pousar na meninice.
Diziam na aldeia que as mães tinham dedos tortos para enxotar o vento do rosto dos
homens
E que as meninas atravessavam os dias com a primavera nos olhos e flores no cabelo,
Arrastando a inocência para dentro dos trigais.
Deitadas ao sol, as meninas, haviam de inaugurar a força dos sonhos estragados
Onde a tempestade se faria pedra e perdição,
Se pudessem ao menos calar as vozes velhas que se estendem para fora das janelas
Talvez as mães voltassem a agasalhar as meninas no ventre,
Para assim beberem todo o veneno que guarda a bainha de um vestido rasgado". 

João Cruz, de Febres, concelho de Cantanhede, distrito de Coimbra, ficou na segunda posição, com “Forma do silêncio”.



"Forma do silêncio"


"A forma não se perdeu no forno
útero de pão
e palavras
Então que seja a cegueira a entrar na sílaba
e distenda lenha
ao quente dos versos
Que fungos fermentem
e concebam o pão
intumescido no poema
Silêncio".

“Economize-me”, de Tchello d’Barros, natural do Brasil, conquistou o terceiro lugar.



"Economize-me”


"Acontece que não vai fazer a menor diferença
A depreciação do câmbio pelo superávit primário
Nem a fuga de dólares com o boom das commodities
Ou o investimento flutuante em derivativos de debêntures
"
Para a catadora de sururu no mangue lamacento
que amamenta sua criança quando baixa a maré
Acontece que não vai fazer a menor diferença
A orçamentação cambial dos ativos de alta liquidez
Nem a alíquota dos lucros pelas tarifas alfandegárias
Ou a insolvência da desvinculação na receita da união
Para o cortador de cana que morre de exaustão
Antes de completar seus trinta e cinco anos
Acontece que não vai fazer a menor diferença
A debacle dos organismos multilaterais sem renúncia fiscal
Nem o colapso rentista via títulos pré-fixados
Ou o imperativo da capitalização pelo swap cambial
Para o velho coletador de materiais recicláveis
Imerso nos monturos do depósito de lixo municipal
Acontece que não vai fazer a menor diferença
Esses cálculos atuariais e seu déficit insolvente
Nem a revogação do pacto tributário na taxa Selic
Ou o tripé macroeconômico no epicentro do capitalismo
Para as meninas esfomeadas da periferia
que furtivamente colhem restos na xepa da feira
Acontece que acontece que acontece..."

O concurso é promovido anualmente pela Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis, através da Biblioteca Municipal Ferreira de Castro, em parceria com a Junta de Freguesia da Vila de Cucujães e o Núcleo de Atletismo de Cucujães, tendo como objetivo estimular a produção de originais de poesia e, simultaneamente, homenagear o poeta Agostinho Gomes, um grande vulto da poesia do município, natural da freguesia de Cucujães.

Espetáculo de Trigo Limpo Teatro ACERT

O público presente na cerimónia de entrega de prémios foi presenteado com o espetáculo de Trigo Limpo Teatro ACERT “20 dizer – a palavra com som, cor, corpo e alma”, um desafio artístico onde José Rui Martins e Luísa Vieira exploraram a musicalidade da palavra, cantada e teatralizada, voando em múltiplas geografias.

Facebook
Twitter
Email
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Publicidade

LEIA TAMBÉM

Relacionados

+ Exclusivos

Os ARTIGOS MAIS VISTOS