Segunda-feira, 24 de Junho de 2024
Segunda-feira, 24 de Junho de 2024

O pedido de Indicação Geográfica Protegida do Pão de Ul chegou à União Europeia

> O pedido de certificação do Pão de Ul foi publicado em Diário da República e durante o mês de maio esteve em curso o “procedimento de oposição nacional”.

O processo de reconhecimento do ‘Pão de Ul/Pada de Ul’ como Indicação Geográfica Protegida (IGP) pela Comissão Europeia deu mais um passo. Neste mês de maio esteve em curso o chamado “procedimento de oposição nacional”, que terminou no último 25 de maio de Foi publicado em Diário da República, com o aviso n.º 8695/2024/2, de 24 abril, o pedido de certificação do produto de cerca de uma dezena de padeiras continuam a manter a confeção tradicional das padas à moda de Ul, bem como da muito apreciada regueifa de canela (pão doce).

Segundo o aviso “qualquer pessoa singular ou coletiva residente, ou com sede em território nacional pode apresentar declarações de oposição, desde que demonstre um interesse legítimo” e havia um prazo de 30 dias para a contestação. Esse prazo terminou nos últimos dias de maio, mas o presidente da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis, Joaquim Jorge, revelou que o processo se encontra na União Europeia, em resposta aos vereadores da oposição.

Publicidade

“O processo está neste momento na União Europeia para receber a chancela final. Julgo que muito brevemente vamos ter o nosso Pão de Ul certificado”, revelou o edil oliveirense.

2024 será mesmo o ano

No dia de celebração dos 225 anos da elevação de Oliveira de Azeméis a concelho, Joaquim Jorge afirmou confiar que 2024 seria o ano em que o Pão de Ul seria certificado. Em declarações ao azeméis.net, o presidente da autarquia oliveirense confidenciou ambicionar a certificação no primeiro semestre do ano.

Neste momento, é possível acreditar que 2024 será mesmo o ano de ouro do Pão de Ul, e que pode acontecer até ao final do mês de junho (ou um pouco depois), concluindo assim um trabalho começado em 2009. Esta certificação, recordou o presidente da autarquia, permite “preservar a originalidade da sua receita, a metodologia de produção e também toda a identidade que está associada ao seu aparecimento”.

Facebook
Twitter
Email
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

LEIA TAMBÉM

Leia também

+ Exclusivos

Os ARTIGOS MAIS VISTOS