Quarta-feira, 22 de Maio de 2024
Quarta-feira, 22 de Maio de 2024

Ética: se não quiserem não façam, mas não impeçam os outros de fazer

> Opinião do Prof. Dr. Carlos Costa Gomes, professor de Ética e Bioética (ESSNorteCVP) e presidente do Centro de Estudos de Bioética.

No debate social sobre temas bioéticos concretos e que nos pedem tomadas de posição é cada mais usual ouvirmos como argumento o seguinte: “se não estão de acordo com determinada posição, têm todo o direito de pensar o contrário, mas não impeçam de o fazer as pessoas que pensam de maneira diferente”. E sustenta-se que o que está em causa é a liberdade e autonomia individual face a ações e decisões de natureza pessoal e social.

Para melhor compreensão, aludimos a um caso verídico de um senhor com considerável fortuna tendo já uma filha e que volta a contrair matrimónio pela terceira vez com uma senhora já grávida de seis meses de outro homem. Após doze anos de vivência conjugal, o senhor decide adotar este filho e, anos depois, morre. O filho da terceira mulher, que se tornou adotivo do marido defunto, herdou uma enorme fortuna. Porém, o filho adotivo entrou em desavença com a mãe, por causa dos bens. A mãe, já viúva, em menopausa, e dispondo do semen do marido falecido, recorre à gestação de substituição e acompanha a gestação de duas filhas (EUA), destinadas a herdar também a sua fortuna (M. Renaud).

Publicidade

Em poucas linhas fica claro a grande complexidade ética e bioética que, não raras vezes, acontecem em ambiente familiar. O que pensar deste caso? A lei permite e por isso não foi violada. Mas será eticamente correto e aceitável recorrer às técnicas de PMA e à Gestação de Substituição para este fim. Não será que estamos a instrumentalizar e a reificar a vida humana, tornando-a no meio e não num fim; numa finalidade que tem por objeto fazer nascer uma vida (neste caso duas pessoas) para um fim que não é o delas, mas por uma questão de herança?

A liberdade e autonomia individual merece a nossa atenção. De facto, é pela autonomia e liberdade que podemos exercer os nossos direitos. A Questão coloca-se não a nível do Direito, mas a nível Ético. E com base no argumento acima referido – se não quiserem fazer não façam, mas não impeçam os outros de fazer – chega-se à conclusão que a ética só interessa quando o meu interesse é realizado; chega-se à primícia de que ética só serve se for feita à medida do que queremos e desejamos, mesmo que para isso tenhamos que usar como meio o ser humano. E será porque posso fazer, devo? Nem tudo que a técnica (e o direito) permite fazer é eticamente aceitável e desejável realizar. A ética não é poder. Mas dá-nos o poder de poder tomar, responsavelmente, as melhores decisões, e as melhores decisões que não firam nem agridam a dignidade da vida humana. Fazer nascer, por que se pode e a técnica e o direito concedem, uma criança para uma finalidade prevista e programada, para além de ser eticamente indefensável é ofender a dignidade intrínseca e indelével de ser pessoa. Por isso, há ações e decisões que a ética impede quando, por princípio, assumimos que as nossas decisões se devem basear numa ética fundamental e não basearmos a ética meramente na “utilidade” das nossas decisões.

Facebook
Twitter
Email
WhatsApp

Uma resposta

  1. Acho um tema muito interessante, onde percebemos que muitas decisões no âmbito do Direito, não têm dimensão Ética. Quando isso acontece, o que prevalece? A lei mesmo não sendo ética, ou esta à revelia da lei? Parabéns ao autor. Um tema propicio a encetar uma reflexão sobre o tema.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

LEIA TAMBÉM

Leia também

+ Exclusivos

Os ARTIGOS MAIS VISTOS